Olhar sustentável como vantagem competitiva

Conceitos como design for environment (DfE) e ciclo de vida do produto para pensar embalagens mais sustentáveis

por Luis Bartolomei,
CEO e Head de Criação

O mundo das embalagens sempre me interessou. E uma das razões que explicam esse interesse é que esse mundo está em constante mudança. Hoje, vejo que a sustentabilidade assumiu um lugar de protagonismo na área. Como trabalho com embalagens há muitos anos, posso dizer que as preocupações com coisas como retornabilidade e reciclabilidade, na hora do design das embalagens, nem sempre foram prioridade. Há alguns anos, quando a gente recebia um briefing para refazer uma embalagem, os objetivos, geralmente, eram de reforço de imagem de marca, adaptação para ganhar share em um nicho específico, ou redesenho para enfrentar um novo concorrente.

Isso começou a mudar a partir dos anos 1980, principalmente na Europa, em mercados mais maduros como o alemão, francês e inglês. Nessa época, quem capitaneava a agenda da sustentabilidade eram os governos, motivados, principalmente, pelo problema de espaço para o descarte adequado do lixo. Mas a agenda foi ganhando popularidade com ajuda das organizações não-governamentais, sempre muito aguerridas, e, finalmente, passou a ser uma demanda do consumidor, já em meados dos anos 1990. Com isso, o mercado e as marcas passaram a tratar a sustentabilidade com mais atenção. E as embalagens logo entraram no foco das discussões.

Hoje, alguns consumidores deixam de comprar um produto se não houver uma preocupação clara, da marca, de reduzir o impacto ambiental de sua embalagem. Apresentar essa preocupação aos consumidores tem seus desafios. Foi-se o tempo em que bastava parecer sustentável. Ou seja, só trocar um ou outro material ou adotar um selo qualquer já não convence – e isso é bom. Hoje, a preocupação tem que ser global, com todas as etapas do ciclo de vida de um produto, e isso precisa ser mostrado de forma transparente e real para o consumidor.

É aí que entram conceitos como o design for environment (DfE), ou design para o meio ambiente. O DfE é uma abordagem que repensa o design para reduzir o impacto ambiental de produtos e serviços usando uma metodologia que calcula esses impactos em todo o ciclo de vida do produto. Ou seja, o design é aplicado com objetivo de tornar um produto mais sustentável da extração da matéria-prima necessária para produzi-lo ao seu descarte, passando pela sua produção, distribuição, venda e uso. Por que um produto pode até ser reciclável, mas de que adianta ele ser reciclável se para produzi-lo são necessárias quantidades gigantescas de água, ou de energia? Ou se sua distribuição tem uma pegada de carbono enorme?

Pensar holisticamente, dando atenção a todas as etapas de um processo, é o desafio. É o que nós, que trabalhamos com embalagens, fazemos. E é o que cada vez mais empresas estão se comprometendo a fazer.

A Braskem, por exemplo, já funciona em linha com o design for environment e desenvolve iniciativas como o Desafio de Design, que põe em prática e divulga esse novo entendimento de mundo. Na edição deste ano, o evento acontece em forma de hackathon e reúne alunos de design e engenharia para repensar as embalagens de um creme dental da Colgate- Palmolive e um pacote de papel higiênico da Kimberly-Clark.

O objetivo é criar soluções que reduzem o impacto ambiental desses produtos através de mudanças em suas embalagens. Como mentor, gosto de pensar que tanto ajudo a guiar os estudantes neste caminho quanto aprendo com eles. É o meu compromisso. E compromissos como esse, que envolvem cada vez mais players da cadeia produtiva, são a chave para construção de um futuro mais sustentável. Do futuro que queremos.

Compartilhe

este post

Assine o Blimp, nossa newsletter mensal.